Consciencializar para deixar vícios

Eu acredito que a forma mais eficaz de deixar um vício é tornarmo-nos conscientes! Conscientes de cada atitude, de cada passo e claro, objectivamente, de cada vício.

Aquilo que acontece grande parte das vezes é que perante um vício temos tendência a ignorar o que o rodeia. Ou seja, a ignorar que somos viciados, a ignorar os malefícios desse vício, a ignorar que está na hora de nos tornarmos conscientes.

E tornarmo-nos conscientes nada mais é do que pensarmos e questionarmos cada decisão que tomamos.

Já repararam que mesmo inconscientemente estão sempre a tomar decisões? Fumar ou não fumar este cigarro? Comer ou não comer este bolo? Mas mais simples ainda… Levantar ou ficar mais 5 minutos na cama? Caminhar numa ou noutra direcção? Lavar a cara? Lavar os dentes? Colocar creme? TODAS as nossas atitudes são baseadas em decisões, na maior parte das vezes, inconscientes. Ora, se percebermos que somos nós que decidimos, que nós temos o poder de decidir se fumamos ou não aquele cigarro, tudo se torna mais fácil.

Depois de nos tornarmos conscientes de cada acto, e reforço que devemos fazer este exercício sempre que queremos mudar uma atitude que nos incomoda em nós próprios; ou seja, sempre que vamos fumar aquele cigarro com o qual gostavamos de já ter acabado, sempre que vamos comer aquele bolo que gostavamos de já não comer, sempre que vamos tomar uma decisão com a qual não concordamos e gostávamos de mudar a nossa atitude perante ela; antes de tomarem a decisão, questionem-se:

  • Eu realmente preciso disto neste momento?
  • Qual vai ser a mudança que vou obter em mim próprio depois disto?
  • É boa? Vou sentir-me bem ou vou sentir-me mal?
  • Qual a diferença que esta pequena decisão hoje pode fazer na minha vida amanhã?
  • E se quiserem ser mais objectivos:
    • Daqui a uma hora este cigarro realmente terá feito a diferença? Lembrar-me-ei sequer do gosto dele?
    • Daqui a uma hora este bolo continuará a ter valido a pena? O sabor dele, que dura uns meros 5 minutos na boca, valêram a pena?
    • Mesmo que tenha ganho hoje, amanhã isso continuará a fazer sentido? Ou será sempre insuficiente?

Claro que estou a falar de vícios simples de resolver. Acreditem! A dependência por pensamentos, emoções ou pessoas requer um maior trabalho interno.

Não se critiquem. Isso é pior. Não se pressionem, não sejam negativos, não procurem os vossos erros, valorizem as vossas vitórias!

Isto não é fácil, eu bem sei. É muito mais fácil ignorarmos, não pensarmos e simplesmente comermos, e simplesmente fumarmos, e simplesmente jogarmos… como se não estivéssemos a decidir nada, como se estivessem a decidir por nós. “Ah que se lixe”. “Mas espera, pensa!”. “Não pensa nada, nem quero saber como me vou sentir depois. Depois é depois. Depois penso nisso”.

Comecei a fumar muito nova. Deixei de fumar quando fiquei grávida da Benedita. Mas apenas umas semanas depois. Porquê? Porque é que não deixei assim que soube? Porque só consegui deixar quando me consciencializei:

Estava num rooftop em Lisboa, sozinha, a Catarina tinha descido para ir buscar uns amigos e eu puxei o cigarro para me fazer companhia enquanto esperava por eles. Devia estar grávida de umas 10 semanas, tinha ecografia marcada para dali a poucos dias. Estava a pensar na ansiedade que tinha para saber se estava tudo bem com aquele pequeno ser na minha barriga, quando olhei para o cigarro, ainda nem ia a meio e simplesmente consciencializei-me: “Como? Como é que eu estou tão ansiosa, tão preocupada e mesmo assim estou a contribuir para o seu mau desenvolvimento?”. Apaguei. Deitei fora e nunca mais voltei a tocar num cigarro. Às vezes tinha vontade mas questionava-me sobre o que era realmente importante: fumar aquele cigarro que dura 5 minutos e depois não faz mais diferença ou pensar na minha saúde e sentir-me melhor com isso?

Os vossos motivos podem ser outros, não importam quais, mas se realmente querem sentir diferenças nas vossas vidas, consciencializem-se sobre eles, escrevam os vossos motivos e depois, antes da importante decisão, reflitam, só depois decidam!

Um momento de cada vez. Um dia de cada vez. Se está a ser muito difícil pensem “amanhã”. Amanhã, se continuarem com muita vontade cedem. Hoje não!

Esta técnica serve para tudo. Para deixar vícios mas também para criar hábitos de vida mais saudáveis ou mudar atitudes.

Se precisarem de ajuda, não hesitem em enviar mensagem pelo instagram ou enviarem-me um e-mail para reviera.vanessa@gmail.com terei todo o gosto em conversar convosco!

 

Têm algum vicio que quisessem deixar ou já tenham deixado?
Partilhem as vossas histórias comigo através do

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *